Social Bank limite de 10 mil, veja como funciona

Carlos Wizard Martins, o pioneiro da escola de idiomas, é o fundador do seu nome e dono da Topper, Rainha, Taco Bell Brasil e Mundo Verde, fundou um banco social.

O grande objetivo é facilitar a forma de conseguir créditos com outras pessoas com taxas de juros baixas. Ele mesmo vai emprestar 1 milhão de reais. Os empresários afirmam que o risco de inadimplência é zero. A nova empresa fintech Social Bank foi criada em 17 de outubro. Garantindo que as pessoas consigam crédito de R$ 10.000,00.

Em comparação com os bancos tradicionais, as taxas de juros são mais baixas. Segundo pesquisa da Fundação Procon-SP, nos últimos dois meses, a taxa média dos grandes bancos para o crédito pessoal foi de 6,33% ao mês, e a do cheque especial foi de 13,40% ao mês. A representação é emprestar para poucas pessoas (posto que não haja limite máximo) (cerca de 5 mil reais). O CEO disse que o intuito de sua ação é apoiar pessoas comuns na solução de suas carências financeiras.

“Decidi fazer isso porque sempre acreditei nas pessoas e em sua capacidade de realização. Esta é uma forma de retribuir à sociedade o que ela conquistou”, afirma o fundador da plataforma.

Como funciona? a plataforma permite que as pessoas físicas emprestem para outras

O funcionamento da plataforma é totalmente simples e seguro, possibilitando que pessoas comuns invistam seus recursos emprestando dinheiro a outra pessoa do mesmo ambiente seguro e a taxa de juros pode variar de 0% a 2%, referente do acordo entre as partes. A taxa de juros é definida em 0,5%, mas ele escolhe quem emprestar. É fundamental criar uma conta digital no aplicativo “Social Banking” disponível na Apple Store e Google Play. O registro é gratuito e o número do celular do usuário passa a ser a conta dele.

O requerente pode solicitar o valor que deseja e propor requisitos de pagamento. É exercida uma verificação de crédito para o consentimento, que destaca os membros por cores (verde, amarelo e vermelho que é característica de risco), e os credores escolhem se aceitam a recomendação. O valor propiciado será mantido regularmente no empréstimo do Banco Social, ou seja, quando o empresário receber o pagamento do empréstimo que foi pago, estes recursos serão novamente disponibilizados a novos clientes da plataforma.

O Social Bank contém demais serviços destinados a outros bancos como as transferências TED e DOC, e o custo de saque em lotéricas é menor que o de bancos tradicionais ou mesmo cartões pré-pagos que não cobra taxas. O risco dos credores ainda existe. Para o economista Pedro Coelho Afonso (Pedro Coelho Afonso), essa é uma boa jogada de marketing que pode aproximar usuários para as startups. “O importante é regularizar os empréstimos entre pessoas físicas dá uma certa segurança para quem empresta e dá comodidade para quem precisa de dinheiro”.

Segundo a empresa, se houver inadimplência, serão cobrados juros e multa. Se a situação continuar sem solução em até 30 dias, a conta em atraso do mutuário ficará negativa e os dados serão enviados ao apoiador para que tome as medidas cabíveis (a empresa não recomenda quais medidas tomar). Também pode pedir ao “fiador” que conceda o empréstimo, que ficará responsável pela quitação da dívida


Receba mais informações gratuitamente