Okavango: o rio que nunca alcança o mar forma, forma o maior delta do mundo

Rio Okavango nasce nas colinas de Angola e atravessa a Namíbia antes de entrar em Botsuana, onde forma o maior delta interior do mundo. É conhecido como “O Rio que nunca alcança o mar” porque,

em vez de correr para o oceano, ele faz uma ligeira curva para o sul, avançando sobre vastos depósitos de areia no deserto do Kalahari. Às vezes as águas do lago Ngami, do rio Boteti e de partes do lago Makgadikgadi evaporam. Quando atinge o delta, o rio se divide em vários canais, criando planícies alagáveis e depressões na areia.

Hipopótamos nadam nessas águas, mantendo alguns canais abertos ou reabrindo outros que foram obstruídos. A água cheia de nutrientes possibilita que plantas como o papiro cresçam em abundância na região; essas plantas, por sua vez, permitem que muitos animais e pássaros vivam e se alimentem no delta, em meio a um habitat seco. Grandes grupos de animais de caça e uma imensa diversidade de pássaros (mais de 400 espécies) criam um magnífico espetáculo.

Entretanto, o delta do rio Okavango é um ecossistema frágil que pode ser danificado ou facilmente destruído pela construção de represas no acima.

LAGO MAKGADIKGADI

A maior parte do território de Botsuana é recoberta por uma camada de areia que o vento traz do deserto do Kalahari e que em alguns lugares chega a alcançar 100m de espessura. Esses depósitos formam a maior superfície arenosa do mundo, com 12.000 km2.

A areia é nivelada pelo vento. À medida que o clima fica mais úmido, plantas se fixam sobre o solo arenoso. Em consequência, muitas áreas não tem desníveis no relevo, o que impede que a água flua. No ponto onde o rio Nata (que nasce no sul do Zimbábue) invade a região de Sua Pan, ele corre por sobre um depósito salino.

Assim que a água entra nessa área, ela evapora, criando imensos lagos salgados, como o Makgadikgadi, entre os rios Maun e Nata. Durante a estação das chuvas, forma-se um lago raso, com na mais de 1m de profundidade. Assim que o lago se enche, camarões de água salgada se multiplicam aos milhões, o que atrai aproximadamente 250 mil flamingos, grandes e pequenos, que migram para a região para procriar. Vistos a distância, os pássaros parecem tingir as margens do lago de vermelho, criando um cenário espetacular. As pradarias ao redor, que se elevam apenas 1m acima da superfície do lago, atraem bandos de zebras Equus burchellii e órix.